sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Ora noite, ora dia... O caso.

Era uma manhã de sol de sexta-feira. Ela tinha acabado de acordar de um sonho que tivera...

Ele tinha tido insônia na noite passada, tudo porque resolveu abrir a janela para fumar. Esteve cansado até abrir a janela, foi quando ele viu a lua e se encheu de uma disposição para imaginar.

Ela acordou pensando que ele podia ter telefonado na noite passada, uma lua tão linda... mas, ele não ligou e ela pensou que ele não lembrou dela.

Ele via a lua e imaginou a presença dela no quarto. Um calor amoroso. O sopro da libido invadiu seus pensamentos e ele desejou tocar a imagem da imaginação: era ela com cheiro de flor, irresistível!

Ela fez seu café matinal. O cheiro da água quente se misturando com o pó invadiu a cozinha e ela imaginou servir-lhe delicadamente uma xícara, se ele estivesse na cama desde a noite passada.

Ele, misturando-se a imagem dela, quase real, passou a ouvir os gemidos de gozo que ela emitia. Foi um prazer revê-la!

Ela tomou um banho e saiu.
Ele ainda não acordou. 

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Adorei as intersecções azul-vermelho/ele-ela... Simplesmente amei!
    Beijão!

    ResponderExcluir